INSTITUTO DAS IRMÃS SACRAMENTINAS NO BRASIL

No dia 21 de junho comemoraremos 70 anos da presença das Irmãs Sacramentinas no Brasil. Narraremos a seguir um depoimento de Ir. Bonavita Longhi sobre a chegada delas em terras Brasileiras.

A ex-embaixatriz, D. Lavínia Guimarães, querendo fundar um convento de clausura, em 1945 foi a Roma para pedir à Santa Sé algumas Irmãs que dessem inicio à obra que depois ela teria continuado.

A Sagrada Congregação dos Religiosos pediu colaboração ao nosso Instituto então governado por Madre Zavéria Cássia. Ela, com o desejo de conseguir depois fundar uma missão no Brasil e assim poder satisfazer ao desejo da Madre Fundadoras, enviou quatro Irmãs: Ir. Maria Garanzini, Ir. Bonavita Longhi, Ir. Stefania Facchinetti, Ir. Pier Juliana Pizzoli.

A tarefa era de encaminhar bem um convento de clausura. Tão logo não fosse necessária a presença das Irmãs, essas se reirariam para iniciar uma obra missionária em alguma outra parte do Brasil.

No dia 1º de junho de 1946 as Irmãs embarcaram no porto de Nápoles, em direção ao Brasil. Chegaram ao Rio de Janeiro no dia 21 de junho. No dia 29 de junho daquele mesmo ano, partiram para Petrópolis onde deveriam dar inicio ao convento de clausura. A obra pode-se dizer que nem mesmo chegou a nascer por uma série de dificuldades que constituíram obstáculo para a realização deste plano. As jovens que, depois de um mês tinham se apresentados foram devolvidas às suas famílias. As Irmãs  foram dispensadas e se encontraram sem trabalho, sem pão e sem teto. Foram acolhidas carinhosamente pelas Irmãs Vicentinas permanecendo com elas por 3 longos meses. Depois se dirigiram para Belo Horizonte a convite dos Padres Sacramentinos. Em Belo Horizonte a vida não foi menos dura. Depois de 3 meses conseguiram abrir um pensionato para estudantes.

Boletim Informativo

Cadastre-se em nossa lista de emails e receba todas as notícias e nosso boletim informativo diretamente em seu email.

Desenvolvimento: Verbete Comunicação Digital